Historia de Portugal, 1

em casa da viuva Bertrand e filhos
14
3.6
14 total
Loading...

Additional Information

Publisher
em casa da viuva Bertrand e filhos
Read more
Published on
Dec 31, 1853
Read more
Pages
544
Read more
Read more
Best For
Read more
Language
Portuguese
Read more
Content Protection
This content is DRM free.
Read more

Reading information

Smartphones and Tablets

Install the Google Play Books app for Android and iPad/iPhone. It syncs automatically with your account and allows you to read online or offline wherever you are.

Laptops and Computers

You can read books purchased on Google Play using your computer's web browser.

eReaders and other devices

To read on e-ink devices like the Sony eReader or Barnes & Noble Nook, you'll need to download a file and transfer it to your device. Please follow the detailed Help center instructions to transfer the files to supported eReaders.
Bula de perdão de 7 de abril de 1533. Apreciação dela. – Procedimento da
corte de Portugal. – Negociações com o papa em Marselha. – Enviatura de
D. Henrique de Meneses e instruções dadas ao arcebispo do Funchal. –
Diligências baldadas em Roma para anular o perdão. – Insistência dos
embaixadores. Protraem-se os debates. O papa resolve definitivamente
manter a bula de perdão. Breve de 2 de abril de 1534. – Tentativas de
transação propostas por D. Henrique de Meneses. – Procedimento do
arcebispo do Funchal, suas relações com Duarte da Paz e traições deste. –
Resistência em Portugal ao cumprimento da bula de 7 de abril e
perseguições contra os conversos. – Breve de 26 de julho. – Morte de
Clemente VII e eleição de Paulo III. – Caráter do novo papa. –
Renovam-se as negociações. – Intervenção do embaixador espanhol. – O
papa manda suspender os efeitos dos breves de 2 de abril e 26 de julho. –
Novos debates sobre a bula de 7 de abril. – Transação proposta pela
corte de Portugal e bases oferecidas para ela. – Intrigas em Roma.
Progresso da luta e resolução final sobre as modificações do perdão e
sobre o restabelecimento do tribunal da fé. – Conselhos de D. Henrique
de Meneses e do arcebispo a el-rei acerca desta matéria. – Dobrez da
cúria romana. – Acusações de Sinigaglia contra o Governo português. –
Despeito mútuo das duas cortes. – Ajustes vergonhosos do núncio com os
cristãos-novos. – El-rei pensa em transigir com os conversos para que
aceitem a Inquisição modificada. – Reação do espírito de intolerância. –
Revalida-se por mais três anos a lei de 14 de junho de 1532. – Breve de
20 de julho de 1535 anulando os efeitos dessa lei. – Diligências da
corte de Portugal para obter a revocação de Sinigaglia e instruções aos
embaixadores para repetirem as tentativas de um acordo. – Ideia de fazer
com que Carlos V intervenha energicamente na questão. – Novas intrigas.
– Deslealdade do arcebispo. – Irritação extrema do papa. – Bula de 12
de outubro revalidando e ampliando a de 7 de abril de 1532. – D.
Martinho de Portugal é desmascarado. Mútua malevolência entre ele e D.
Henrique de Meneses. – Influência da bula de 12 de outubro em Portugal.
©2018 GoogleSite Terms of ServicePrivacyDevelopersArtistsAbout Google
By purchasing this item, you are transacting with Google Payments and agreeing to the Google Payments Terms of Service and Privacy Notice.