A patologia coletiva: No contexto social, psicológico e educacional

Viseu
Free sample

Nosso modo de vida está se transformando em patologia? ou estaria nos alienando coletivamente? Por que tantas certezas absolutas? Nosso mundo "virtual" está em conflito com o real, com o humano? A Patologia coletiva se fundamenta nas mazelas sociais e individuais que criamos a partir do contexto ao qual estamos inseridos: sejam ilusões, incompreensões, determinações, faltas, falsidades, entre outras. Em cada capítulo, são explanados impasses que passam despercebidos e assim se convertem realmente em patologias individuais, passando a ser coletivas, pela difusão de informações em rede. A medicalização, a psicologia e a saúde são transpassadas pela educação. Ela é tratada aqui como construtora de elos e compreensões, assim evitando patologias, promovendo instrumentos e capacitando a interpretação: de sua realidade, seu entorno, sua condição social, seu corpo e interdependências. Como pode-se falar em democracia e inclusão social, se não é possível interpretar a própria realidade ou perceber suas necessidades? É uma leitura de conscientização, para uma visão além da ilusão estabelecida e seus efeitos colaterais. Que possa fomentar a interpretação individual e coletiva no consequente protagonismo de si com qualidade de vida.
Read more
Collapse
Loading...

Additional Information

Publisher
Viseu
Read more
Collapse
Published on
Jun 1, 2019
Read more
Collapse
Pages
109
Read more
Collapse
ISBN
9788530007676
Read more
Collapse
Read more
Collapse
Read more
Collapse
Language
Portuguese
Read more
Collapse
Genres
Social Science / Sociology / General
Read more
Collapse
Content Protection
This content is DRM protected.
Read more
Collapse
Read Aloud
Available on Android devices
Read more
Collapse
Eligible for Family Library

Reading information

Smartphones and Tablets

Install the Google Play Books app for Android and iPad/iPhone. It syncs automatically with your account and allows you to read online or offline wherever you are.

Laptops and Computers

You can read books purchased on Google Play using your computer's web browser.

eReaders and other devices

To read on e-ink devices like the Sony eReader or Barnes & Noble Nook, you'll need to download a file and transfer it to your device. Please follow the detailed Help center instructions to transfer the files to supported eReaders.
Este livro é uma bela introdução à obra e à trajetória intelectual de Michael Löwy, brasileiro de origem judaica, radicado em Paris há muitos anos. Caracterizado por um marxismo heterodoxo e não dogmático, seu pensamento ajuda a desvendar as contradições da modernidade, e suas pesquisas mais recentes, em especial, apontam a necessidade de renovar e atualizar o marxismo, como bem demonstra a análise de Fabio Mascaro Querido. Escrito com clareza e num tom que favorece a leitura, sem abrir mão do rigor acadêmico, o livro contribui também para pensar os dilemas e os desafios impostos ao pensamento social crítico contemporâneo, particularmente ao marxista. O autor mostra como Löwy – continuando a tradição aberta por Rosa Luxemburgo, Lukács e sobretudo Walter Benjamin – tem sabido incorporar criticamente outras perspectivas teóricas e políticas num sentido anticapitalista, a exemplo de sua leitura de Max Weber e da aposta no ecossocialismo, rompendo com a crença no progresso e valorizando certo "marxismo weberiano" e a retomada marxista do anticapitalismo romântico. Analisando com maestria o desenvolvimento interno da obra de Löwy desde os anos 1960, indissociável do cenário histórico em que se insere, Fabio Querido fala também de nossa época, em que os críticos da ordem capitalista encontram dificuldade para articular a resistência negativa a ela e a projeção de um outro mundo possível. (Auto)crítica anticapitalista da modernidade, resistência e revolução, questionamento das ilusões no progresso: o "marxismo libertário" de Michael Löwy, em seus alcances e limites, tem muito a nos dizer num contexto de adversidade para as propostas socialistas, como propõe este livro instigante. [Texto de orelha assinado por Marcelo Ridenti]
Contrapondo-se ao discurso sobre educação pautado apenas por indicadores, rankings e eficiência, a Boitempo lança Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. Fernando Cássio, organizador da obra e especialista em políticas públicas de educação, convidou mais de 20 autores para propor um debate franco e corajoso sobre as principais ameaças à educação pública, gratuita e para todas e todos: o discurso empresarial, focado em atender seus próprios interesses; a perseguição à atividade docente e à auto-organização dos estudantes; e o conservadorismo que ameaça o caráter laico, livre e científico do ambiente escolar. Neste novo volume da coleção Tinta Vermelha, selo que busca provocar reflexões sobre assuntos atuais, temas como revisionismo histórico, experiências de educação popular, financiamento do ensino público, dilemas da educação a distância e a polêmica ideologia de gênero são abordados com rigor teórico e linguagem acessível. A obra conta com prólogo de Fernando Haddad e quarta capa de Mario Sergio Cortella. A 1a parte do livro trata dos desafios à condução e à organização do ensino público. Daniel Cara e Ana Paula Corti desenvolvem concisos panoramas sobre as políticas educacionais no Brasil nos últimos anos e a situação do Ensino Médio, respectivamente. Os textos de Carolina Catini e Marina Avelar ampliam o debate sobre a educação como mercadoria e o avanço dos interesses privados sobre o ensino público, enquanto o de Silvio Carneiro volta-se aos reflexos dessa concepção de educação na formação dos alunos, no que ele chama "ideologia da aprendizagem". Catarina de Almeida Santos trata de um modelo educacional que, embora apresente aspectos positivos em determinados contextos, tem sido usado para ampliar a mercantilização da educação e precarizar a formação dos estudantes: o ensino a distância. Já os ensaios de José Marcelino de Rezende Pinto e Vera Jacob Chaves discutem, nessa ordem, o financiamento da educação pública e os movimentos de financeirização no ensino superior privado lucrativo. A 2a parte da obra volta-se às atuais ameaças às práticas docentes e à educação democrática. Isabel Frade e Bianca Correa escrevem sobre as disputas na definição de políticas para a alfabetização e a primeira infância, respectivamente. Matheus Pichonelli aborda a educação domiciliar, prática polêmica defendida pelo atual governo e incluída como meta para os 100 primeiros dias de governo, enquanto Rudá Ricci faz a crítica da militarização das escolas. O debate das religiões de matrizes africanas e indígenas em sala de aula é feito por Denise Botelho, seguido por uma reflexão de Maria Carlotto sobre a guerra do governo federal contra os intelectuais brasileiros e a academia. Alexandre Linares e Eudes Baima abordam o famigerado Escola Sem Partido e a perseguição aos professores ele tenta impor nas escolas, enquanto Rogério Junqueira procura esclarecer o que seria, afinal, a "ideologia de gênero". Sérgio Haddad fecha a segunda parte com um texto sobre o educador Paulo Freire, mundialmente reconhecido, mas cada vez mais alvo do discurso reacionário no Brasil. A 3a e última parte aponta caminhos e desafios para uma educação democrática. Rodrigo Ratier tece um elogio à raiva e à revolta nas escolas, e Pedro Pontual aborda os desafios e as propostas para a educação popular e a participação social. A busca por novos recursos educacionais e o conhecimento como bem comum são os assuntos do ensaio de Bianca Santana, seguido por uma exposição de Sonia Guajajara sobre o modelo da educação indígena como forma de enfrentamento da barbárie. Alessandro Mariano aborda o projeto educativo das escolas do MST, que há 3 décadas formam pessoas de todas as idades e fomentam inovações pedagógicas.
©2019 GoogleSite Terms of ServicePrivacyDevelopersArtistsAbout Google|Location: United StatesLanguage: English (United States)
By purchasing this item, you are transacting with Google Payments and agreeing to the Google Payments Terms of Service and Privacy Notice.