Interdisciplinaridade e Universidade

Imprensa da Universidade de Coimbra / Coimbra University Press
Amostra grátis

 A riqueza teórica e a polissemia do conceito de interdisciplinaridade, cujas fronteiras surgem com frequência mal definidas em relação a conceitos afins como a multidisciplinaridade e a transdisciplinaridade, têm contribuído para que nem sempre sejam claros os seus contornos metodológicos. Ainda assim, é crescente a convicção entre académicos e investigadores sobre a necessidade de romper com as limitações epistemológicas e metodológicas do quadro disciplinar tradicional. A coexistência de múltiplos olhares sobre a mesma problemática, condição essencial para a compreensão da realidade na sua complexidade, tem vindo a ganhar cada vez mais espaço entre investigadores e professores. Porém, esta unanimidade quanto aos benefícios e potencialidades da interdisciplinaridade para o avanço do conhecimento, tanto na investigação como no ensino, tarda a encontrar acolhimento satisfatório na definição das metodologias e práticas de investigação interdisciplinares na Universidade. A tentativa de encontrar respostas para este aparente desfasamento esteve no centro das preocupações dos autores e respetivos contributos reunidos neste livro.


The theoretical wealth and the polysemy of the concept  interdisciplinarity, whose boundaries occur frequently not very well defined in relation to related concepts such as multidisciplinary and transdisciplinary, have contributed for sometimes not being very clear  the methodological contours of interdisciplinarity,. But there is a growing conviction among academics and researchers about the need to break with the epistemological and methodological limitations of the traditional disciplinary framework. The coexistence of multiple views on the same issue, essential for the understanding of reality in its complexity, has been gaining more and more space between researchers and teachers. But this unanimity on the benefits and potential of interdisciplinarity to the advancement of knowledge, both in research and in teaching, has taken sometime to find satisfactory reception in the definition of methodologies and interdisciplinary research practices at the University. The attempt to find answers to this apparent discrepancy was at the center of the authors concerns and their contributions gathered in this book.

Ler mais

Acerca do autor

António Rafael Amaro é professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Integra o grupo de História Económica e Social. É Vice-Coordenador Científico e Investigador do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra - CEIS20. A sua investigação principal é sobre História Económica e Social, nomeadamente temáticas como e desenvolvimento económico e assimetrias  regionais, o papel do Estado e das elites e a organização político-administrativa do território.


Álvaro Garrido é professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, onde coordena o grupo de História Económica e Social e a Escola de Estudos Avançados. É também investigador do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra (CEIS20). Os temas do corporativismo, das pescas e da economia social são centrais nos seus projetos de investigação. Prepara um livro sobre o tema do corporativismo salazarista no contexto europeu e um projeto em história comparada sobre as políticas públicas do mar em Portugal.


João Paulo Avelãs Nunes é Professor Auxiliar do Departamento de História, Estudos Europeus, Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e Investigador do Grupo História e Memória do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra- CEIS20. Tem investigado e orientado, lecionado e avaliado, organizado e participado em eventos científicos, realizado conferências e ações de formação, publicado livros e artigos, apresentado livros e revistas sobre história contemporânea, história da historiografia e da memória histórica, didáctica da História; arqueologia industrial, património cultural e museologia.


João Paulo Avelãs Nunes was born in 1965 and is Auxiliary Professor of Contemporary History at the Faculty of Letters of the University of Coimbra and he is also a Researcher at the Centre for Interdisciplinary Studies on the 20th Century at the University of Coimbra. He completed a Degree in History in 1987 which was followed by training as a History teacher in 1989 at the above named institution. In 1993 he completed his Master’s in Portuguese Contemporary History with a thesis on the economic and social history of the Faculty of Letters of the University of Coimbra between 1911 and 1971. He obtained his Doctorate in 2006 in Contemporary History with a dissertation on “The Estado Novo and Tungsten (1933-1947). He is a member of the Editorial Board of the Portuguese History Journal and of the journal Estudos do Século XX. He has done research and published in areas such as the history of the Coimbra CADC and youth organisations in the Estado Novo and on fascism, industrial archeology and cultural heritage, the history of the mining sector and the Second World War, the history of the church and of the Portuguese “Catholic Good Works”, on museology and the teaching of history.

Ler mais
A carregar...

Informações adicionais

Editora
Imprensa da Universidade de Coimbra / Coimbra University Press
Ler mais
Publicado em
18 de out de 2016
Ler mais
Páginas
178
Ler mais
ISBN
9789892612386
Ler mais
Funcionalidades
Ler mais
Ideal para
Ler mais
Idioma
português
Ler mais
Proteção de conteúdo
Este conteúdo está protegido por DRM.
Ler mais

Informações de leitura

Smartphones e Tablets

Instale a aplicação Google Play Livros para Android e iPad/iPhone. A aplicação é sincronizada automaticamente com a sua conta e permite-lhe ler online ou offline, onde quer que esteja.

Portáteis e Computadores

Pode ler livros comprados no Google Play utilizando o navegador de Internet do computador.

eReaders e outros dispositivos

Para ler em dispositivos e-ink como o Sony eReader ou o Barnes & Noble Nook, tem de transferir um ficheiro e movê-lo para o seu dispositivo. Siga as instruções detalhadas do Centro de Ajuda para mover os ficheiros para eReaders suportados.
Visa-se neste livro reconstituir e analisar a evolução do subsector luso do volfrâmio, quer na década de 1930 — etapa de crise e paulatina reativação —, quer ao longo dos anos quarenta, com destaque para o período da Segunda Guerra Mundial (fase de “euforia especulativa”). Observa-se, ainda, a título de contextualização, o período que decorreu entre o início da mineração do tungsténio em Portugal continental (1871) e o promulgar da “Lei de Minas do Estado Novo” (Julho de 1930), passando pela Primeira Grande Guerra (1914-1918). Sendo o volfrâmio um “metal estratégico”, presta-se a atenção às vertentes económica e social, cultural e ideológica, mas, também, política e diplomática do “objeto global” em causa. Face à relevância atingida pelos concentrados de tungsténio ibérico, de 1941 a 1944, na “economia de guerra” dos Aliados e, sobretudo, do Terceiro Reich nacional-socialista, consideram-se, igualmente, a política externa e as conceções geoestratégicas da ditadura chefiada por António de Oliveira Salazar; as ligações do nosso país às problemáticas do “ouro nazi” e do Holocausto; o modo como, depois de 1945, foram encarados entre nós a “comunidade germânica” e os “bens alemães”. Abordam-se, para terminar, as implicações da atividade extrativa ao nível do desenvolvimento local, regional e nacional; a presença ou a ausência do “volframista” e das “corridas ao tungsténio” na(s) nossa(s) memória(s) histórica(s). Mau grado o facto de, nas décadas de 1930 e 1940, Portugal ter vivido em ditadura, evocam-se, tanto as conceções e a intervenção das chefias executivas do regime, como as da Igreja e da “ação social católica”, de associações patronais e de organizações de profissionais liberais ou assalariados, de instituições de investigação e de ensino superior, dos mass media e das “comunidades rurais” envolvidas, das oposições ao “fascismo luso”. No plano internacional, remete-se, sobretudo, para a intervenção, nos âmbitos da gestão da “economia-mundo capitalista” e do conflito militar de 1939-1945, do Reino Unido e da França, da Alemanha e dos EUA, de Espanha.
O presente livro, dedicado à análise da evolução das historiografias portu­guesa e brasileira no século XX, resulta da colaboração entre uma instituição portuguesa, o Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra (CEIS20/UC) e uma organização brasileira, o Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Getúlio Vargas (CPDOC/FGV). De um lado temos uma entidade que mistura a longa du­ração da Universidade de Coimbra com a relativa novidade de uma unidade de investigação financiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia; do outro um centro de documentação e investigação de excelência que se transformou, também, numa escola de ciências sociais no âmbito de uma Fundação que é, também, uma instituição de ensino superior. Sem a pretensão de se apresentar como “a história” das historiografias portu­guesa e brasileira no século XX, esta obra integra textos de vários historiadores e outros cientistas sociais de ambos os países que propõem leituras diversas e cruzadas sobre a relação entre poderes (político-institucionais, religiosos, aca­démicos) e produção de discurso historiográfico, acerca da influência exercida por ambientes intelectuais estrangeiros — nomeadamente francês e alemão, bri­tânico e norte-americano —, sobre a relevância social de tecnologias derivadas da historiografia (didáctica da História, património cultural, museologia), acerca de temáticas particularmente actuais e/ou polémicas da história de Portugal e da história do Brasil (salazarismo e getulismo, colonialismo e pós-colonialismo, ditadura e transições da e para a democracia, empresas e empresários).
©2018 GoogleTermos de Utilização do SitePrivacidadeProgramadoresArtistasAcerca da Google|Localização: Estados UnidosIdioma: Português (Portugal)
Ao comprar este item, está a efetuar uma transação com o Google Payments e a aceitar os Termos de Utilização e o Aviso de Privacidade do Google Payments.