O romance d 'um homen rico

Typ. da Revista
3

Reviews

2.3
3 total
Loading...

Additional Information

Publisher
Typ. da Revista
Read more
Published on
Dec 31, 1861
Read more
Pages
263
Read more
Read more
Best For
Read more
Language
Portuguese (Portugal)
Read more
Content Protection
This content is DRM free.
Read more

Reading information

Smartphones and Tablets

Install the Google Play Books app for Android and iPad/iPhone. It syncs automatically with your account and allows you to read online or offline wherever you are.

Laptops and Computers

You can read books purchased on Google Play using your computer's web browser.

eReaders and other devices

To read on e-ink devices like the Sony eReader or Barnes & Noble Nook, you'll need to download a file and transfer it to your device. Please follow the detailed Help center instructions to transfer the files to supported eReaders.
Camilo Castelo Branco
Publicada a 1ª ed. do "Eusébio Macário", a reacção crítica dos realistas-naturalistas, atingidos pela violenta paródia foi tal, que Camilo, alguns meses depois, redige um outro texto, para servir de “Prefácio da Segunda Edição” (de 1880). Atingindo o cúmulo da sua estratégia parodística, afirma estranhar a reacção dos adeptos da estética realista, numa atitude de falsa modéstia e jocosa ingenuidade: “O tímido autor esperava que os artistas não refugassem a obra tracejada, e afirmassem que eu, nesta decrepitez em que faço ao estilo o que os meus coevos de juventude fazem ao bigode, não podia penetrar com olho moderno os processos do naturalismo no romance”. 
O indisfarçável propósito ridicularizador aumenta ainda consideravelmente, quando Camilo declara que o seu pastiche paródico não passa de uma brincadeira rápida e de fácil execução: “Ora a coisa em si era tão fácil que até eu a fiz, e tão vaidoso fiquei do Eusébio Macário que o reputo o mais banal, mais oco e mais insignificante romance que ainda alinhavei para as fancarias da literatura de pacotilha. Se eu não escrevesse de um jacto, e sem intermissões de reflexão, carpir-me-ia do tempo malbaratado”. Para o Camilo trocista, a temporária e falsa conversão ao realismo-naturalismo mais não fora do que um exercício de estilo, pois não esconde as intenções de apoucar e ridicularizar as técnicas e os processos da nova estética romanesca, mesmo quando declara exactamente o contrário: “Cumpre-me declarar que eu não intentei ridicularizar a escola realista”.
©2018 GoogleSite Terms of ServicePrivacyDevelopersArtistsAbout Google
By purchasing this item, you are transacting with Google Payments and agreeing to the Google Payments Terms of Service and Privacy Notice.