Revista Portuguesa do Dano Corporal N.º 27

Imprensa da Universidade de Coimbra / Coimbra University Press
1
1.0
1 total
Loading...

Additional Information

Publisher
Imprensa da Universidade de Coimbra / Coimbra University Press
Read more
Collapse
Published on
Feb 1, 2018
Read more
Collapse
Pages
113
Read more
Collapse
Read more
Collapse
Best For
Read more
Collapse
Language
Portuguese
Read more
Collapse
Genres
Medical / General
Read more
Collapse
Content Protection
This content is DRM protected.
Read more
Collapse

Reading information

Smartphones and Tablets

Install the Google Play Books app for Android and iPad/iPhone. It syncs automatically with your account and allows you to read online or offline wherever you are.

Laptops and Computers

You can read books purchased on Google Play using your computer's web browser.

eReaders and other devices

To read on e-ink devices like the Sony eReader or Barnes & Noble Nook, you'll need to download a file and transfer it to your device. Please follow the detailed Help center instructions to transfer the files to supported eReaders.
Por deliberação da atual Ministra da Justiça, Dra. Paula Teixeira da Cruz, cessei nos finais de 2013, mais propriamente no dia 15 de Novembro, as funções que vinha exercendo desde 2001 como presidente do conselho diretivo do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF), anteriormente designado apenas por Instituto Nacional de Medicina Legal. Funções que tinham sido antecedidas pelas de diretor do então Instituto de Medicina Legal de Coimbra, exercidas entre 1996 e 2000. Circunstâncias diversas levaram a que este final de funções se tivesse concretizado da forma como ocorreu. Entre elas, um profundo desacordo quanto aos atuais posicionamentos e políticas do Ministério da Justiça em diversos aspetos (sem prejuízo de reconhecer também algumas facetas meritórias) e, muito particularmente, no que à falta de apoio à Medicina Legal e às Ciências Forenses diz respeito por parte da Senhora Ministra da Justiça. Estou profundamente convicto de que o tempo me dará inteira razão e que algumas das decisões atuais terão necessariamente de ser revertidas. De qualquer forma, deixar a presidência do INMLCF era intenção que tinha já manifestado publicamente, no ano de 2012, em entrevista publicada em jornal nacional, e que tinha deixado consignada em acta de reunião da direção realizada no mês de Março de 2013. Aguardava apenas que a Senhora Ministra me recebesse para lhe solicitar essa substituição, na sequência de múltiplos pedidos de audiência que lhe dirigi, todos eles sempre sem resposta. Era, por isso, decisão também do conhecimento de todos quantos trabalham no INMLCF.

Excerto do Editorial de Duarte Nuno Vieira

Sempre fui adepto aos tratamentos naturais, mas quando falamos deste tipo de tratamento, logo pensamos que isso é ultrapassado e que só a ciência pode nos ajudar a encontrar a luz no final do túnel. Assim como a ciência evoluiu, os tratamentos naturais também, hoje existem centenas de universidades e instituições, pesquisando com alta tecnologia frutas, verduras, leguminosas, castanhas e uma imensidão de plantas fabulosas com seus potentes e naturais princípios ativos, antioxidantes, vitaminas e minerais. São pesquisadores, apaixonados pela vida e dão a vida pelo ser humano. A ciência tem evoluído muito rapidamente, mas junto com ela foram atropelados os bons costumes, o profissionalismo e a ética. Muito daquilo que acreditávamos ser a solução, hoje vimos com tristeza os estragos e a assolação. Doenças que tinham desaparecido, estão resurgindo, são as tais doenças reemergentes como a tuberculose, a hanseniase (lepra), leishmaniose, febre amarela, colera, dengue, difcteria, supergripe e outras . Um dia assistindo a TV, vi com tristeza um medico famoso dizer que a planta graviola não serve para nada e que era só balela. Fiquei triste principalmente pela admiração que nutria por este profissional, que parece estar direcionado por outros interesses comerciais e não pelo amor a pesquisa. Engano dele existem sim algumas dezenas de pesquisas cientificas realizadas com as folhas da graviola e com os frutos também, comprovando sua eficácia em varias linhas da saúde. Se a algum tempo os pesquisadores da linha natural, dissessem que fazer o chá da planta cinchona para malaria era mais eficiente que usar o principio ativo isolado quinina, seriam chamados de loucos. É claro que os fabricantes do medicamento ganharam rios de dinheiro. Hoje existem pesquisas cientificas comprovando que o chá da planta é mais eficiente que o próprio medicamento. Enfim, ser natural não é viver no mato, andar descalço, não ter vaidades e se desprover do mundo. Ser natural é tentar melhorar o mundo, a partir de nós mesmos, com uma mudança de hábitos saldáveis praticar exercícios, tomar sol, ter uma alimentação equilibrada, voltar a gostar de beber água, enfim, uma retomada a vida, com saúde e responsabilidade.
©2019 GoogleSite Terms of ServicePrivacyDevelopersArtistsAbout Google|Location: United StatesLanguage: English (United States)
By purchasing this item, you are transacting with Google Payments and agreeing to the Google Payments Terms of Service and Privacy Notice.