Como nasce o novo

Editora Todavia S.A
Free sample

Um mergulho de fôlego num dos textos mais desafiadores da história da filosofia. A Fenomenologia do espírito, livro da juventude de G.W.F. Hegel (1770-1831), costuma ser lido à luz da obra posterior do filósofo alemão. Decidido a pôr em xeque esse enfoque, Marcos Nobre mostra que a obra contém em si mesma um modelo filosófico. Escrevendo em meio à invasão da Prússia pelas tropas de Napoleão, e assistindo ao colapso do Ancien Régime, Hegel se lançou a sondar o hiato entre o velho e o novo, percorrendo o caminho do qual faria emergir uma filosofia que estivesse à altura da ordem social que nascia. Como nasce o novo é um monumental trabalho de reflexão interessado acima de tudo em se pôr em dia com os ritmos da sociedade contemporânea e dos movimentos coletivos guiados pelos ideais de emancipação e igualdade.
Read more
Collapse

About the author

Marcos Nobre é professor do Departamento de Filosofia da Unicamp. É autor de Lukács e os limites da reificação, A dialética negativa de Theodor W. Adorno, A Teoria crítica, Imobilismo em movimento, entre outros livros. Também atua como pesquisador do Cebrap, tendo publicado numerosos artigos na revista Novos estudos.
Read more
Collapse
Loading...

Additional Information

Publisher
Editora Todavia S.A
Read more
Collapse
Published on
Apr 10, 2018
Read more
Collapse
Pages
344
Read more
Collapse
ISBN
9788593828591
Read more
Collapse
Read more
Collapse
Read more
Collapse
Language
Portuguese
Read more
Collapse
Genres
Philosophy / Individual Philosophers
Read more
Collapse
Content Protection
This content is DRM protected.
Read more
Collapse
Read Aloud
Available on Android devices
Read more
Collapse
Eligible for Family Library

Reading information

Smartphones and Tablets

Install the Google Play Books app for Android and iPad/iPhone. It syncs automatically with your account and allows you to read online or offline wherever you are.

Laptops and Computers

You can read books purchased on Google Play using your computer's web browser.

eReaders and other devices

To read on e-ink devices like the Sony eReader or Barnes & Noble Nook, you'll need to download a file and transfer it to your device. Please follow the detailed Help center instructions to transfer the files to supported eReaders.
 “A vida, se você souber usá-la, é longa” - Sêneca

Escrito como um ensaio moral para seu amigo Paulino, as palavras mordazes de Sêneca ainda trazem uma poderosa mensagem dois mil anos depois. Com sua ousada rejeição ao materialismo, ao estilo de vida convencional e à preguiça Sobre a Brevidade da Vida e é tão relevante quanto antes. Antecipa o mundo moderno. É uma exposição única de como as pessoas se prendem na corrida de ratos e como para estes o suficiente nunca é suficiente. 

Os indivíduos "ocupados" na definição de Sêneca são as pessoas que estão preocupadas demais com suas carreiras e relações sociais para examinar a fundo a qualidade de suas vidas. A mensagem é simples: a vida é longa se você a vive com sabedoria. Não perca tempo se preocupando com aparências. Não seja preguiçoso. Não se entregue ao entretenimento trivial e ao vício. 

Nesta nova tradução o ensaio de Seneca ganha vida para o leitor moderno. O estilo da linguagem de Sêneca foi preservado, mas a redação está sintonizada com o ouvido contemporâneo. Este é um livro básico para os estudantes do estoicismo e para qualquer pessoa interessada em buscar uma resposta para a eterna pergunta: "Como devo usar melhor o meu tempo?"

 

Edição Multilingue: Português - Latim - Inglês

“Nenhum livro moldou minha vida mais do que Sobre a Brevidade da Vida de Sêneca. Acredito com todo o meu coração que é a melhor coisa que já foi escrita, e não há meio de fazer justiça a não ser encorajar a todos que conheço a lê-lo. É a resposta para a questão de como devemos viver nossas vidas, um chamado poderoso para usarmos nossos dias em coisas que realmente importam. Sêneca se tornou meu melhor amigo e mentor mais sábio. Ele fez por mim o que Zenão, Pitágoras, Demócrito e Aristóteles fizeram por ele: ele não me forçou a morrer, mas me ensinou como morrer, ele não gastou meus anos, mas contribuiu com seus anos para os meus, e ele nunca uma vez me mandou embora de mãos vazias.” – Susan Fowler

“Sobre a Brevidade da Vida é maravilhoso, recomendo a todos os homens” – Denis Diderot

“Existem várias passagens em Sobre a Brevidade da Vida, onde a capacidade de Sêneca de escrever de forma clara e evocativa realmente brilha... tornou-se um dos meus ensaios favoritos. É fácil de ler, repleto de prosa cativante, analogias imaginativas e comentários incisivos sobre a existência humana. É também uma fonte para a qual eu volto sempre que alguém faz demandas irracionais de meu próprio tempo...” – Massimo Pigluicci

O ensaio Sobre a Ira é dirigido ao irmão mais velho de Sêneca, Gálio. Embora decomposto em três livros, o texto é efetivamente dividido em duas partes.

A primeira parte (I-II.17) trata de questões teóricas, enquanto a segunda parte (II.18 –final) oferece conselhos terapêuticos. A primeira parte começa com um preâmbulo sobre os horrores da ira, seguidos por suas definições. Continua com questões como se a ira é natural, se pode ser moderada, se é involuntária e se pode ser completamente apagada. 

"Nenhum homem se torna mais corajoso por meio da ira, exceto alguém que, sem ira, não teria sido corajoso: a ira, portanto, não vem para ajudar a coragem, mas para tomar seu lugar" (I.13)

"Nada se convem àquele que inflige punição menos do que a ira, porque a punição tem tanto mais poder de reforma, se a sentença for pronunciada com julgamento deliberado. É por isso que Sócrates disse ao escravo: "Eu surraria você, se não estivesse com ira". Ele adiou a correção do escravo para uma oportunidade em que estivesse mais calmo; no momento, ele se repreendeu. Quem pode se gabar de ter suas paixões sob controle, quando Sócrates não ousou confiar em si mesmo à sua ira? " (I.15)

A segunda parte (Livro II.18 em diante) começa com conselhos sobre como evitar a ira e como isso pode ser ensinado a crianças e adultos. Seguido então por vários trechos de conselhos sobre como a ira pode ser adiada ou extinta, e muitos casos reais são dados de exemplos a serem imitados ou evitados. O trabalho conclui com algumas dicas sobre como acalmar outras pessoas, seguido de um resumo da obra.

"Outros vícios afetam nosso julgamento, a ira afeta nossa sanidade: outros vêm em ataques leves e crescem despercebidos, mas as mentes dos homens mergulham abruptamente em ira. Não há paixão mais frenética, mais destrutiva para si mesma; é arrogante se for bem-sucedida e frenética se falhar. Mesmo quando derrotada, ela não se cansa, mas se o acaso coloca seu inimigo além de seu alcance, ela volta seus dentes contra si mesmo." (III.1)

"Que nada lhe seja permitido enquanto estiver irado. Por que razão? Porque irá querer que tudo lhe seja permitido." (III.12)

Em “Sobre a ira” Sêneca defende a tese – contrária à de outros filósofos da Antiguidade, como Aristóteles – de que a ira sempre é prejudicial. Segundo o romano, um grande homem não deve irar-se nunca e, quando não for possível reprimir a ira, ele deve tentar se acalmar o mais cedo possível.

A profundidade do pensamento, a vivacidade do estilo e os ricos exemplos que o filósofo apresenta para confirmar suas teses tornam a leitura de “Sobre a ira” extremamente prazerosa

©2018 GoogleSite Terms of ServicePrivacyDevelopersArtistsAbout Google|Location: United StatesLanguage: English (United States)
By purchasing this item, you are transacting with Google Payments and agreeing to the Google Payments Terms of Service and Privacy Notice.