O retrato de Dorian Gray: The picture of Dorian Gray: Edição comentada bilíngue português - inglês

Editora Landmark LTDA
10
Free sample

Oscar Wilde, um dos maiores nomes da literatura do século XIX, publicou inicialmente O RETRATO DE DORIAN GRAY no periódico norte-americano Lippincott's Monthly Magazine, em 20 de junho de 1890. Esta versão original é o lançamento que a EDITORA LANDMARK promove junto aos seus leitores, em uma edição bilíngue comentada com os 13 capítulos originais publicados pela revista norte-americana, sem as alterações posteriores de 1891, que a editora inglesa Ward, Lock and Company exigiu para lançá-lo no mercado britânico. Essas exigências e modificações viriam suavizar a trama, abrandando a influência negativa de lorde Henry e moderando o relacionamento de Gray com os demais personagens, constituindo assim uma segunda versão mais amena. Dorian Gray é um belo e ingênuo rapaz retratado pelo artista Basil Hallward em uma pintura. Mais do que um mero modelo, Dorian Gray torna-se a verdadeira inspiração para Basil. Devido ao fato de todo seu íntimo estar exposto em sua obra prima, Basil não divulga a pintura e decide presentear Dorian Gray com o quadro. Com a convivência de lorde Henry Wotton, um cínico e hedonista aristocrata muito amigo de Basil, Dorian Gray é seduzido ao mundo da beleza e dos prazeres imediatos e irresponsáveis, espírito que foi intensificado após, finalmente, conferir seu retrato pronto e apaixonar-se por si mesmo. A partir de então, o aprendiz Dorian Gray supera seu mestre e cada vez mais se entrega à superficialidade e ao egoísmo. O belo rapaz, ao contrário da natureza humana, misteriosamente preserva seus sinais físicos de juventude enquanto os demais envelhecem e sofrem com as marcas da idade. O desfecho da história é surpreendente, cujo segredo está n'O RETRATO DE DORIAN GRAY.
Read more
Collapse

About the author

OSCAR WILDE, nascido em 16 de outubro de 1854 na cidade de Dublin, Irlanda, viveu na efervescente capital inglesa, frequentando ciclos de escritores, atores e figuras de destaque da época, sendo enaltecido por importantes figuras literárias, como o dramaturgo George Bernard Shaw, os poetas norte-americanos Walt Whitman e H. W. Longfellow, e o escritor francês Stéphane Mallarmé. Casado em 1884 com Constance Lloyd, teve dois filhos a quem Oscar Wilde se devotava de corpo e alma e cujo afastamento por decisão de Constance após sua prisão foi devastador. Mesmo após o casamento, manteve-se muito conhecido e requisitados em todas as rodas literárias, honrado com todos os compromissos aos quais era convidado. Tornou-se realmente uma pessoa indispensável e comentada aos eventos sociais, espalhando glamour e comentários por onde passava. Possuía uma aparência que atraía os olhares: vestia-se elegante e extravagantemente bem, com roupas e adereços que, segundo suas próprias palavras, sempre refletiam o que de mais íntimo existia dentro dele. Embora bem conhecido nos círculos sociais, Wilde recebeu pouco reconhecimento por sua obra durante muitos anos até a estreia de "O Leque de Lady Wildermere" que consolidou sua fama literária a partir de 1892. O simulacro, o homem e seu retrato eram a maneira pela qual o autor se utilizava para se relacionar com o mundo, mas o período de seu sucesso foi extremamente curto. Na noite de estreia de sua obra-prima teatral "A Importância de Ser Constante" em 1895, o marquês de Queensberry, pai de Lorde Alfred Douglas, jovem aristocrata com quem Wilde estava se relacionando à época, iniciou uma campanha pública contra o autor. Por influência de Lorde Douglas, Oscar Wilde decidiu mover uma ação contra o pai do rapaz, acusando-o de difamação. Quinze semanas mais tarde, Wilde perderia o processo e, em 1895, era preso e condenado a dois anos de trabalhos forçados. Ao ser libertado em 1897, Wilde muda-se da Inglaterra em direção ao continente europeu. Lá adota o pseudônimo de Sebastian Melmoth e em companhia de Robert Ross publica "A Balada do Cárcere de Reading" e "A Alma do Homem sob o Socialismo", suas últimas produções literárias. Logo após, fixa residência em Paris, onde corrige e publica "Um Marido Ideal" e "A Importância de Ser Constante", demonstrando que se encontrava no comando de si mesmo e de todo seu talento literário. Todavia se recusa a escrever qualquer novo material, declarando que "posso continuar a escrever, mas perdi a satisfação para tal". Em 30 de novembro de 1900, Wilde, empobrecido, esquecido e doente, veio a falecer em um quarto do Hôtel d'Alsace, em Paris. Como legado, deixou-nos uma obra admirável representada por contos, romance, poesias e peças teatrais que até hoje são encenadas.
Read more
Collapse
4.4
10 total
Loading...

Additional Information

Publisher
Editora Landmark LTDA
Read more
Collapse
Published on
Jun 10, 2014
Read more
Collapse
Pages
224
Read more
Collapse
ISBN
9788580700466
Read more
Collapse
Read more
Collapse
Read more
Collapse
Language
Portuguese
Read more
Collapse
Genres
Fiction / Romance / General
Read more
Collapse
Content Protection
This content is DRM protected.
Read more
Collapse
Read Aloud
Available on Android devices
Read more
Collapse

Reading information

Smartphones and Tablets

Install the Google Play Books app for Android and iPad/iPhone. It syncs automatically with your account and allows you to read online or offline wherever you are.

Laptops and Computers

You can read books purchased on Google Play using your computer's web browser.

eReaders and other devices

To read on e-ink devices like the Sony eReader or Barnes & Noble Nook, you'll need to download a file and transfer it to your device. Please follow the detailed Help center instructions to transfer the files to supported eReaders.
O RETRATO DO SR. W. H. é uma história acerca da tentativa de se descobrir a identidade do Sr. W. H., o homenageado enigmático dos sonetos de Shakespeare. Em 1609, foi publicado a primeira edição dos Sonetos de Shakespeare, apresentando a misteriosa dedicatória: "Para o Senhor W.H." Desde então, a identidade do senhor W. tem sido objeto de uma série de teorias fascinantes - mas ninguém foi tão engenhoso quanto Oscar Wilde ao elaborar sua teoria no RETRATO DO SR. W. H. É baseado em uma teoria, originada por Thomas Tyrwhitt, de que os sonetos foram dirigidos a Willie Hughes, retratado na história como um ator jovem da companhia de Shakespeare. A única evidência para esta teoria é um conjunto de sonetos (como o Soneto 20), que fazem trocadilhos com as palavras "Will" e "Matizes". No relato, o pesquisador da Universidade de Cambridge Cyril Graham passa os seus dias analisando as obras de Shakespeare e faz um descobrimento muito surpreendente: o Senhor W. H. a quem Shakespeare dedicou os seus sonetos não é ninguém menos do que Will Hughes, um dos atores de sua companhia. Como ninguém compartilha de sua teoria, Graham passa a se valer de outros métodos para convencer os seus pares, levando a uma série de fatos misteriosos até um final surpreendente. Conhecido por seu estilo de vida extravagante e pouco ortodoxo, Oscar Wilde, um dos maiores escritores da língua inglesa nesta obra demonstra toda sua genialidade e apresenta o estilo que o caracterizaria como um dos maiores intelectuais de todos os tempos.
©2020 GoogleSite Terms of ServicePrivacyDevelopersArtistsAbout Google|Location: United StatesLanguage: English (United States)
By purchasing this item, you are transacting with Google Payments and agreeing to the Google Payments Terms of Service and Privacy Notice.