Archai: Revista de Estudos sobre as Origens do Pensamento Ocidental nº 21

Imprensa da Universidade de Coimbra / Coimbra University Press

Escrevo este Editorial em um avião que atravessa o Atlântico. Parece-me um símbolo de nossa querida revista Archai, que entre os dois lados da tradição ocidental, aquela europeia e aquela americana, encontra há quase uma década seus caminhos e aposta suas pontes. A Cátedra UNESCO Archai está a cada ano mais consolidada em suas redes internacionais
de pesquisa, assim como sua política editorial, da qual a revista Archai é certamente a peça central e mais querida por todos nós. 

Mais uma vez o presente número apresenta para os leitores uma seleção de Artigos de grande originalidade e, ao que tudo indica, profundo impacto
na comunidade. A começar pelo longo e exaustivo artigo de Aldo Dinucci dedicado a um conceito central para a tradição estóica como a phantasía.
O renomado filólogo ibérico Alberto Bernabé dedica-se por sua vez à desanima precisa do termo physikós no interior da literatura grega antiga, desde as origens até o século III aEC. A centralidade do termo para todo a reflexão filosófica é inegável. Isso torna o detalhado e compreensivo artigo de Bernabé aqui publicado um marco essencial para qualquer estudo de filosofia antiga daqui em diante. Com o artigo de Eduardo Boechat voltamos ao estoicismo, para uma discussão de grande elegância e atenção filológica sobre o Hegemonikon cósmico, conforme aparece em Manílio. Rodrigo Braicovich enfrenta em seu artigo um lugar comum da interpretação do epicurismo que diz respeito à pedagogia do movimento: esta estaria centrada na memorização das doutrinas. Ao contrário, o artigo
oferece uma leitura mais integrada da pedagogia epicurista, onde as epitomes tem um lugar menos central, ainda que mais preciso. O artigo de Paulo Martins (atualmente Presidente da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos e estimado latinista) nos transporta para os versos da poesia de Propércio e nos entrega gentilmente aos braços de Helena. Martins analisa os usos da imagem poética de Helena em Propércio, observando especificamente a metáfora: “Cíntia é Helena.”

Excerto do editorial de Gabriele Cornelli

Read more
Collapse
Loading...

Additional Information

Publisher
Imprensa da Universidade de Coimbra / Coimbra University Press
Read more
Collapse
Published on
Aug 31, 2017
Read more
Collapse
Pages
370
Read more
Collapse
Read more
Collapse
Best For
Read more
Collapse
Language
Portuguese
Read more
Collapse
Content Protection
This content is DRM protected.
Read more
Collapse

Reading information

Smartphones and Tablets

Install the Google Play Books app for Android and iPad/iPhone. It syncs automatically with your account and allows you to read online or offline wherever you are.

Laptops and Computers

You can read books purchased on Google Play using your computer's web browser.

eReaders and other devices

To read on e-ink devices like the Sony eReader or Barnes & Noble Nook, you'll need to download a file and transfer it to your device. Please follow the detailed Help center instructions to transfer the files to supported eReaders.
O número 18 da revista Archai traz para seu público de atentos e fiéis leitores diversos artigos inéditos e várias novidades.
A sessão Artigos é, neste número, inteiramente dedicada a Platão, sendo aberta por um longo artigo de Giovanni Casertano dedicado ao tema da reminiscência no Fédon. O texto é o resultado de um mini‑curso que o professor Casertano, Doutor Honoris Causa da Universidade de Brasília e pesquisador colaborador da Cátedra UNESCO Archai, ministrou no ano passado aqui em Brasília. A tese de Gianni é a de que a teoria da reminiscência, para além de simplesmente cumprir uma função no interior dos argumentos em favor da imortalidade da alma, esconderia uma autêntica teoria da aprendizagem, do conhecimento e do saber. O segundo artigo, de autoria de Renato Matoso, pretende realizar uma análise crítica do surgimento e estabelecimento do mais recente e ainda mais aceito paradigma de organização e interpretação da obra de Platão: paradigma desenvolvimentista.
Renato é atualmente pós‑doutorando da Cátedra UNESCO Archai mas já foi selecionado como professor efetivo do Departamento de Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, onde ficará com a cátedra da sua mestra, a Professora Maura Iglesias. O artigo de Barbara Botter, escrito em italiano, enfrenta uma temática espinhosa no diálogo Sofista de Platão: a distinção entre original, imagens verdadeiras e imagens falsas. Francesca Pentassuglio, num artigo em espanhol, dedica sua atenção aos conceitos de proagogeia, mastropeia, promnestria na literatura antiga, em busca de um referencial para as concepções maiêuticas socráticas.
Vera Pugliese, professora do Instituto de Artes da Universidade de Brasília, parte, em seu artigo, de diferentes recepções do grupo escultórico Laocoonte desde a Antiguidade e suas repercussões nas produções artística e teórica sobre arte, para pensar uma ligne de partage entre os olhares sobre o passado de Johann J. Winckelmann e Aby Warburg. Em mais um artigo em espanhol, a professora e pesquisadora argentina Pilar Spangenberg apresenta uma nova luz hermenêutica sobre a particular dinâmica refutativa utilizada no Crátilo de Platão para defender a tese convencionalista, com resultados francamente entusiasmantes. Por último, os professores Rodolfo Lopes e o que aqui escreve apresentam a uma primeira parte, preparatória, de um projeto mais amplo que tem como objetivo reposicionar o debate sobre as doutrinas não‑escritas de Platão, para dar conta delas de maneira mais sistemtática e holística de modo a apresentar uma nova a interpretação da obra platônica no seu conjunto.
O breve, mas elucidativo, Dossiê Pierre Hadot: a filosofia como modo de vida reúne três estudos sobre aspectos da vida e da obra de Hadot. Coordenado pela professora Loraine Oliveira, o dossiê inclui artigos inéditos sobre o legado do filósofo e helenista francês, atualmente objeto de grande interesse tanto na França como também no Brasil. Para maiores detalhes, remeto para a Apresentação do dossiê que conta ainda como autores como Phililppe Hoffmann e George Almeida Jr.
Quatro Resenhas fecham este número: Rodrigo Brito sobre a recente tradução comentada das Epítomes Alexandrinas de Galeno, Walbridge; Pedro Proscurcin Jr. sobre a recente obra de A. A. Long dedicada aos conceitos de mente e de self na Literatura Antiga; César Sierra sobre a obra de Grethlein apresenta a tese do uso da empatia na narrativa dos historiadores antigos.
Por último, Irley Franco resenha a mais recente tradução comentada da Poética de Aristóteles, por P. Pinheiro publicada no Brasil. É de sublinhar que a Archai é procurada por pesquisadores como fórum de discussão e debate do que se publica na área de filosofia e estudos clássicos, tanto no Brasil como a nível internacional.
A Revista Archai dá ainda as boas‑vindas à professora Anna Motta, Frei Universität de Berlim, que passa agora a integrar a Comissão Científica e agradece mais uma indexação, na Philpapers.
Enquanto fechávamos este número, nos chegou a notícia do falecimento, no dia 3 de agosto, de nosso colega e amigo, o prof. Marcelo Pimenta Marques (1956-2016). Marcelo era professor titular do Departamento de Filosofia da UFMG e membro do Comité Científico desta revista, além de amigo e colaborador da Cátedra UNESCO Archai há mais de uma década. Foi-se cedo e de repente o amigo e colega amado por todos. Fica a tristeza por uma perda irreparável e o compromisso de seguirmos seu exemplo de dedicação e cortesia.
Boa leitura a todxs!Editorial de Gabriele Cornelli

 

©2018 GoogleSite Terms of ServicePrivacyDevelopersArtistsAbout Google|Location: United StatesLanguage: English (United States)
By purchasing this item, you are transacting with Google Payments and agreeing to the Google Payments Terms of Service and Privacy Notice.