Se o grão de arroz não morre: Colônias de imigrantes japoneses: desvendando onde e como tudo começou

e-galáxia
Free sample

"As figuras mais notórias do Japão da Era Meiji: o primeiro-ministro Taro Katsura, o ministro das Relações Estrangeiras Jutaro Komura e o empresário Eiichi Shibusawa, este último também conhecido como o ""pai do capitalismo japonês"", fixaram os olhos cheios de esperança no lado oposto do globo terrestre, em uma área que ocupava pouco mais que a ponta de um alfinete, a Colônia de Iguape. Os japoneses da Era Meiji lutavam desesperadamente para erguerem o país e se igualarem às potências mundiais. Como deveriam enfrentar os desafios e consolidar a posição dentro do mundo? Estes esforços acompanhados por grandes dúvidas e incertezas ficaram nitidamente gravados nas terras da região de Registro, no Brasil. A cidade de Registro se localiza a 185 quilômetros da capital paulista, seguindo pela rodovia BR-116 em direção sudoeste. É a cidade que fica mais a jusante do rio Ribeira que tem extensão total de 470 quilômetros. A chamada ""Colônia de Iguape"" era composta por três núcleos de assentamento chamados Katsura, Registro (1914) e Sete Barras (1920). Em março de 1912, quatro anos depois da chegada do navio de imigrantes Kasato-maru, o fundador da colônia, Ikutaro Aoyagi fechou um contrato com o Governo Paulista na qual recebia 50 mil hectares de terra de graça com a condição de instalar um núcleo colonial. Na época, o Japão passava por uma grave crise de escassez de alimentos a ponto de ocorrerem diversas revoltas populares desencadeadas pela alta do preço do arroz. Os homens proeminentes da Era Meiji vislumbraram criar uma colônia com o objetivo de ""enviar japoneses emigrantes, plantar arroz e fornecer a produção ao Japão"". Nas eras Meiji e Taisho (1868-1926), o Japão tentou criar conexões com o mundo por meio da emigração, que é um mecanismo de cooperação internacional, mas, em 1934, o Brasil promulgou a lei que restringia a imigração a uma cota de 2% do total de ingressantes no país nos últimos 50 anos, o que na prática, fechava as portas de entrada da América do Sul aos japoneses. A pressão emigratória japonesa da época era como uma panela de pressão a alta temperatura com a válvula girando e cuspindo vapor sem parar. Toda essa energia foi se voltando para a Manchúria e o Governo Japonês promoveu a emigração para as regiões da Manchúria e Mongólia organizando Grupos de Imigrantes Armados capitaneados pelo Exército de Guangdong. Essa foi uma grande encruzilhada da história. Como se a chama tivesse se apagado, o interesse pela emigração ao Brasil foi se reduzindo até o ponto em que no pós-guerra, a empreitada foi praticamente esquecida dentro da história contemporânea japonesa. A deflagração do conflito do Pacífico fez os japoneses do Brasil serem perseguidos como cidadãos inimigos do Eixo, principalmente nas regiões litorâneas como Santos e Registro. Apesar das tentativas, o plantio do arroz não era bem sucedido e os colonos passaram por sérias dificuldades. Em 1943, Torazo Okamoto pegou escondido sementes de chá preto da fábrica da Lipton no antigo Ceilão, Sri Lanka, e as trouxe até Registro, fazendo com que a região renascesse como a Capital Brasileira do Chá. Os japoneses criaram a ""Capital do Chá"" dentro do ""Reino do Café"". Em seu auge, sete empresas competiam entre si para produzir 12 a 13 mil toneladas de chá, o que representava 85% de toda a produção nacional. O país, no entanto, perdeu competitividade internacional devido à variação do câmbio."
Read more
Collapse
Loading...

Additional Information

Publisher
e-galáxia
Read more
Collapse
Published on
May 11, 2018
Read more
Collapse
Pages
444
Read more
Collapse
ISBN
9788584742202
Read more
Collapse
Read more
Collapse
Read more
Collapse
Language
Portuguese
Read more
Collapse
Genres
History / Social History
Social Science / Emigration & Immigration
Read more
Collapse
Content Protection
This content is DRM protected.
Read more
Collapse
Read Aloud
Available on Android devices
Read more
Collapse
Eligible for Family Library

Reading information

Smartphones and Tablets

Install the Google Play Books app for Android and iPad/iPhone. It syncs automatically with your account and allows you to read online or offline wherever you are.

Laptops and Computers

You can read books purchased on Google Play using your computer's web browser.

eReaders and other devices

To read on e-ink devices like the Sony eReader or Barnes & Noble Nook, you'll need to download a file and transfer it to your device. Please follow the detailed Help center instructions to transfer the files to supported eReaders.
O que seria a cultura japonesa? Por que as pessoas daquele país deixaram de assaltar supermercados quando ocorreu aquele grande terremoto seguido de tsunami em 11 de março de 2011? Por que permaneceram ordeiramente em filas em meio à tragédia? Por que, na Copa do Mundo de 2014, os torcedores daquele país recolheram o lixo na arquibancada do estádio após o término do jogo? O que sentiu Einstein quando esteve no Japão, em sua viagem de conferências? Que pensamentos tiveram os vultos da história japonesa do período da restauração de Meiji como Ryoma Sakamoto, no momento dramático da inclusão do país no sistema mundial após 260 anos de isolação? Por que foram surgindo do Japão arrasado pela Segunda Grande Guerra, uma após outra, empresas de porte internacional? Nas entrelinhas desta coleção se esconde a história do Japão e as bases do pensamento japonês, que não se resumem apenas a sushi, sashimi, animação e "cosplay". Nesta série você encontrará a essência da cultura japonesa. Uma publicação do Jornal Nikkey Shimbun. Nesta edição: Ryoma Sakamoto – E o sonho da construção de uma nação oceânica TesshuYamaoka e Takamori Saigo – Dois homens sem apego algum à fama ou fortuna, e até à própria vida, salvam o Japão dos perigos de uma guerra civil Samurais da suserania de Shonai – Que aprenderam com Takamori Saigo, se uniram para construir um Japão novo Filha de Samurai – A menina, rebento de uma família de samurais, cerejeira milenária, procura florir em terras estrangeiras Ryo Mizuno – Depois da "Abertura do país", a "Emigração" Isso é saquê japonês – Cultura tradicional de 1300 anos cristalizada
O que seria a cultura japonesa? Por que as pessoas daquele país deixaram de assaltar supermercados quando ocorreu aquele grande terremoto seguido de tsunami em 11 de março de 2011? Por que permaneceram ordeiramente em filas em meio à tragédia? Por que, na Copa do Mundo de 2014, os torcedores daquele país recolheram o lixo na arquibancada do estádio após o término do jogo? O que sentiu Einstein quando esteve no Japão, em sua viagem de conferências? Que pensamentos tiveram os vultos da história japonesa do período da restauração de Meiji como Ryoma Sakamoto, no momento dramático da inclusão do país no sistema mundial após 260 anos de isolação? Por que foram surgindo do Japão arrasado pela Segunda Grande Guerra, uma após outra, empresas de porte internacional? Nas entrelinhas desta coleção se esconde a história do Japão e as bases do pensamento japonês, que não se resumem apenas a sushi, sashimi, animação e "cosplay". Nesta série você encontrará a essência da cultura japonesa. Uma publicação do Jornal Nikkey Shimbun. Nesta edição: A casa imperial Prece de uma dinastia inteira pelo bem-estar do povo Sucessão Imperial – um sagrado dever hereditário Palavras à sociedade nikkei no Brasil Toshihiko Tarama – O "Tenson Korin" da era Showa Membros da família imperial que sustentaram o fim da guerra Trinta e três mil quilômetros até a recuperação Imperador Kôkaku – Sessenta e dois anos de governo que alicerçaram a Restauração de Meiji Discurso de Sua Majestade sobre as suas atribuições como símbolo nacional Por que se discute a "abdicação em vida"?
©2019 GoogleSite Terms of ServicePrivacyDevelopersArtistsAbout Google|Location: United StatesLanguage: English (United States)
By purchasing this item, you are transacting with Google Payments and agreeing to the Google Payments Terms of Service and Privacy Notice.